sexta-feira, 18 de março de 2011

quarta-feira, 16 de março de 2011

Z O O M

Em pleno sucesso há mais de 15 anos, o programa Zoom, da Tv Cultura, é tirado do ar pela atual presidência da emissora.
A roteirista e diretora do Zoom, Daniela Branzini, fala um pouco sobre o programa.

Café-Grafis - Pode falar um pouco de sua formação em televisão ? 
Daniela Branzini - Comecei minha carreira dirigindo um programa eleitoral para Rádio e TV em 1982 no Mato Grosso do Sul e com pé direito, o candidato foi eleito! De volta a Sâo Paulo fui trabalhar na TV Cultura produzindo a parte ao vivo do programa Revistinha, escolhido como melhor programa infantil em 1988 e 1989. Em 1990 mudei para Milão,na Itália. Fiz um curso de direção cinematográfica e coordenei a produção de 60 documentários, rodados na Itália , França, Inglaterra, patrocinados pela Sony e que foram exibidos em três emissoras italianas. Voltei ao Brasil e desde então trabalhei na TV Cultura, no Zoom.
  
Café-Grafis - Quando iniciou a exibição do programa Zoom ? 
Daniela Branzini - O Zoom foi ao ar pela primeira vez em novembro de 1995 e foi criado para atender uma demanda de exibição de médias-metragens que eram enviados para tv e que não tinham uma janela de exibição. Ao longo desses 15 anos de existência o programa foi alterando o seu formato, passou a exibir vídeo,video-arte, animação, documentários e ficções. Depois sofreu nova reformulação e passamos a produzir entrevistas e cobrir festivais nacionais e internacionais.

Café-Grafis - Qual a sua função no programa ? 
Daniela Branzini - Era a diretora e roteirista do Zoom.
  
Café-Grafis - Vocês tem um retorno de como o programa era avaliado pelo público ? 
Daniela Branzini - O Programa tinha um retorno significativo de audiência dentro dos padrões da TV Cultura. Por anos universidades do país solicitavam cópias do Zoom para discussão em sala de aula e para manter em seu acervo. Outra demonstração do público sempre foi o envio de uma grande quantidade de curtas para exibição, além da comunicação direta por carta e e-mail. Quando o programa criou o concurso para apresentador, recebemos um número enorme de vídeos, que surpreendeu até a direção da emissora na época.

Café-Grafis - E pelos cineastas ? 
Daniela Branzini - O Zoom foi por muitos anos a única janela na TV aberta  para a exibição da produção de curtas no país,que num certo período foi a única produção cinematográfica que tivemos!  Todos passaram em algum momento pelo Zoom, ou com o seu vídeo, ou curta ou para falar da experiência do primeiro longa. Nas comemorações dos 10 anos e dos 15 anos do programas ouvimos verdadeiras declarações de amor ao Zoom.

Café-Grafis - Como era a participação dos filmes de animação no programa ? 
Daniela Branzini - Sempre foi significativa e foi aumentando de acordo com o aumento da produção nesses últimos anos. Sem falar no fato de que é um gênero que agrada muito ao público!

Café-Grafis - E dos animadores ? 
Daniela Branzini - Uma das características do programa era provocar a interação com os realizadores convidando a participar da elaboração do Zoom com as videocrônicas. Muitos animadores prepararam matérias para nós.Você que vem acompanhando o desenvolvimento do cinema de animação durante esses anos,

Café-Grafis - Você que vem acompanhando o desenvolvimento do cinema de animação durante esses anos, como vê a evolução dessa arte no Brasil ?
Daniela Branzini - É indiscutível o crescimento do volume de produção, que se beneficiou da tecnologia digital, mas também da melhora na qualidade desta produção, que geralmente tem no humor um ingrediente especial.  Mas acho que falta desenvolver uma escala industrial para a produção de séries de animação voltadas especificamente para TV. 
Café-Grafis - Na sua opinião, como pode se dar a exibição de animações na televisão ?
Daniela Branzini - Acho que as séries, tanto para um público infantil como adulto, são o caminho mais viável para compor uma grade de exibição e também sob o ponto de vista de faturamento.  
Café-Grafis - Qual o motivo de o programa Zoom sair do ar na Tv Cultura ? 
Daniela Branzini - Essa é uma pergunta que precisa ser respondida pelo atual presidente.
Mas se você pensar que a atual gestão investiu numa grade de documentários sob a tutela do É Tudo verdade, numa faixa de segunda a sexta e na exibição dos filmes da Mostra Internacional, duas vezes por semana... não dá para entender a decisão de tirar do ar o único programa da casa que poderia interligar essa programação, uma vez que o público do Zoom sempre teve um perfil cinéfilo e portanto o programa deveria ser utilizado como um grande divulgador desta "nova" programação da casa. Só dá para pensar que é mesmo uma estratégia de um economista e não de um profissional de comunicação!

Café-Grafis - Tem possibilidade de ir para outra emissora ? 
Daniela Branzini - Não acredito.
Café-Grafis - Sabe se será substituído por outro programa que trate do assunto cinema ?
Daniela Branzini -Não acredito. A solução que tiveram,talvez em função da desaprovação que o término deste programa gerou, foi colocar a vinheta do Zoom antes das matérias dedicadas ao cinema no Metrópolis.
Café-Grafis - Em que projetos você está envolvida atualmente ? 
Daniela Branzini - Me convidaram para fazer a curadoria de um grande projeto que pretende unir arte e futebol, um desafio que me instigou bastante e comprei a idéia na hora. Também estou trabalhando na criação de uma programação de webtv para um site especializado em cinema. Tenho vontade de me dedicar também a realização de um documentário, mas ainda não encontrei o tema.
Mas como adoro a adrenalina da televisão, não descarto essa possibilidade..  

Café-Grafis - Pode citar um filme de animação de sua preferência ? 
Daniela Branzini - Essa pergunta é muito difícil, mas diria que utimamente o César  Cabral tem me surpreendido. Adoro o Dossiê Rê Bordosa, mas o trabalho de iluminação de Tempestade me arrebatou, adorei!

terça-feira, 8 de março de 2011